28 novembro 2013

Canon PowerShot S110 - teste

A Câmara fotográfica Canon PowerShot S110 é uma transição suave da S100, mantendo o seu interior praticamente inalterado: o processador lente, sensor e imagem, que ficam essencialmente na mesma. Por isso, ainda usa um sensor 1/1.7 12MP " Canon made sensor de "alta sensibilidade CMOS", processador de imagem DIGIC 5 e uma lente equivalente 24-120mm, oferecendo uma abertura de F2.0 utilmente rápida em grande angular, mas distintamente lenta em telefoto.
O layout do controle da câmara também é idêntico, incluindo o excelente anel de controle programável ao redor da lente.

Canon PowerShot S110
Canon PowerShot S110


As principais adições são um multi-touch touchscreen capacitivo ao estilo smartphone e um must-have em 2013, a conectividade Wi-Fi integrada.

Quando a Canon anunciou a Powershot S90 há pouco mais de três anos atrás, praticamente isolada, definia uma nova classe de câmaras - uma compacta genuinamente de bolso para fotógrafos sérios, com gravação de formato RAW, controlo manual, um sensor de 1/1.7", maior do que a média e uma lente rápida (pelo menos em grande angular).
As Câmaras que sucederam, as S95 e S100 - foram líderes quase indiscutívelmente da classe, e também foi a escolha dos entusiastas que procuram a última palavra em portabilidade, sem sacrificar muito a qualidade de imagem ou controlo manual.


Canon PowerShot S110
Canon PowerShot S110

Isso tudo mudou com o aparecimento da Sony Cyber-shot RX100, uma câmara cujo sensor era substancialmente maior: 20MP  e 1",
A Fujifilm entra em cena com o anúncio da XF1, uma compacta de design bonito e que usa o sensor inteligente EXR-CMOS da Fujifilm. 
O resultado de tudo isso é que a mais recente oferta da Canon, a S110 , que entra num mercado muito mais competitivo do que o enfrentado pelos seus antecessores.


Uma Câmara S100 atualizada, com Wi-Fi e tela sensível ao toque

O Wi-Fi vem em detrimento do módulo built-in GPS, mas a câmara ainda pode fazer geo-tag suas imagens através da sincronização com o GPS do smartphone.

O touchscreen oferece as características habituais ao que seria de esperar, incluindo a extremamente útil touch-foco que permite que você especifique o assunto tocando no ecrã. Uma adição particularmente interessante é a capacidade de alterar temporariamente a função do botão de controle de lente, pressionando a 'marcação virtual' no lado direito da tela. Por exemplo, no modo de prioridade de abertura, isso significa que você pode mudar rapidamente o dial de controlar a abertura para a compensação de exposição , uma adição ao já excelente sistema de controle da S100.

WiFi da S110 oferece um recurso-padrão já estabelecido no mercado. Pode transferir imagens para um smartphone ou tablet, e fazer upload de fotos e filmes diretamente para sites de redes sociais como o Facebook e o YouTube. Se está fora do alcance de uma rede Wi-Fi, ainda pode fazer o upload através de seu tablet ou telefone usando aplicativo CameraWindow da Canon. Também é possível imprimir sem fios em impressoras habilitadas para WiFi.

A Canon PowerShot S110 também recebe o que a Canon está a chamar de "ZoomPlus", um zoom digital avançado que tenta usar upsampling conteúdo consciente para uma melhor qualidade de imagem. Se isso soa um pouco familiar, que é provavelmente porque a Sony oferece a tecnologia de som semelhante chamado " Limpar Image Zoom ' nas suas recentes câmaras, incluindo a RX100. Implementação da Canon, como a Sony, funciona essencialmente como faixa de zoom da câmara em JPEG, oferecendo melhor qualidade do que um zoom digital padrão.


Principais características Canon Powershot S110

Sensor CMOS Canon 12MP 1/1.7 "
Lente equivalente 24 -120mm F2.0 - 5.9 , 4- stop ' IS Inteligente '.
Processador DIGIC 5
ISO 80-12800
Ecrã sensível ao toque PureColor II G 3" 460k dot
Built-in WiFi (sem GPS)
Gravação em formato RAW
Built-in 3 -stop filtro de densidade neutra

24 novembro 2013

Leica D-Lux 6 - Em teste nas ruas

Leica D- Lux 6 - Em teste nas ruas de Portugal

Leica D-Lux 6
Leica D-Lux 6
Eu sempre fui um grande admirador de câmaras compactas para fazer fotografia de rua (street photo), quer pelo seu seu peso, tamanho, versatilidade e portabilidade. 

Na verdade eu prefiro ter por companhia câmaras fotográficas menores para fazer fotografia de rua, pois geralmente acompanham-me em todas ocasiões e vão comigo para todo o lado, enquanto que as Cãmaras fotográficas maiores, tendem a ficar em casa a apanhar pó.

E como se comporta a Leica D- Lux 6 para fotografia de rua? 

Leia mais para recolher algumas ideias.

Visão global
Para aqueles que não conhecem a série Leica D- Lux, é uma câmara compacta vendida pela Leica que compartilha os mesmos interior da Panasonic Lumix LX7. 
As diferenças estão no aspecto exterior mais agradável e inclui o Lightroom, e vem marcado com um preço médio de 800 euros, enquanto que a Panasonic LX7 tem um preço médio para Portugal de cerca de 400 eur.

A Leica D- Lux 6 tem um belo design: revestido com um acabamento preto fosco que se sente bem nas mãos, e se mostra sólido, sem ser demasiado pesado.
Na frente da câmara, tem uma característica interessante: é que se pode realmente alterar a abertura (de 1,4 até f8). 
No entanto, como eu vou falar mais tarde, eu nunca utilizei esta facilidade, apenas para fotografar no modo P. Os mostradores da câmara são surpreendentementes sólidos, tátil, e permite dar cliques agradáveis ​​para fazer as configurações.
Ergonomicamente, a câmara é confortável de segurar, com um aperto de polegar na parte superior direita da câmara.

Mesmo ao lado da aderência superior direita da câmara, há um seletor rotativo que você pode discar para a esquerda, para a direita, ou até mesmo empurrar (para ativar o modo de compensação de exposição). Acho isso um grande toque de design, e é usado com muita frequência.

Também pode ajustar a câmara de foco automático e foco macro e manual do lado da lente. No entanto, eu raramente alterei as configurações de foco (eu geralmente mantinho em autofoco - que foi rápido , confiável e versátil). 
Algumas vezes eu encontrei-me mudar a focagem para o modo macro (quando tirei fotos do que eu estava a comer ao pequeno-almoço).

A D- Lux 6 também vem com um cinta em couro para usar ao pescoço, que eu não esperava utilizar (geralmente prefiro cintas de pulso para as compactas). No entanto fiquei surpreendido ao sentir como era confortável e acabei por usar durante todo o tempo. Eu não não sou grande conhecedor de produtos em couro, mas o couro da correia transmite grande qualidade, pois era macio, e apoiou-se bem em volta do meu pescoço (mesmo quando o usei por um dia inteiro).

Resposta / usabilidade
A primeira coisa que me impressionou foi com a resposta da câmara. O autofocus é muito rápido para bloquear, e não existe atraso perceptível do obturador quando tiro uma fotografia (pelo menos do que pude perceber).

O ecrã do LCD é bom, brilhante e colorido e achei fácil de compor, mesmo sob luz solar intensa. Provavelmente não é o melhor ecrã LCD que já usei, mas eu nunca encontrei o LCD para me distrair de qualquer tirar fotos nas ruas, e rever as imagens na tela era preciso para os meus olhos .

No entanto um factor que eu achei menos digno e até aborrecido desta Câmara foi o sistema da lente retrátil.

A câmara fotográfica é muito compacta quando desligado (provavelmente pode guardar num bolso). No entanto, quando se liga, a lente se estende, como é normal. Eu não me importo isso, exceto o fato de que, se você quiser usar a tampa da lente, tem que colocá-la manualmente.

A D- Lux 6 Leica que foi testada tinha um pedaço de fio que segurava a tampa da lente da câmara fotográfica (para não se perder), mas eu ainda acho que ter de colocar e retirar a tampa da lente seria desnecessário.


A qualidade da imagem
Considerando que a câmara fotográfica possui um sensor de tamanho compacto, fiquei bastante impressionado com a nitidez, qualidade de imagem, bem como as cores da câmara fotográfica produzidas durante situações de iluminação ideais (de dia). Por outro lado, a lente da D- Lux 6 tem muito possivelmente a melhor qualidade que tenho visto numa câmara fotográfica compacta.
Mesmo em situações de pouca luz, os registos ISO altos parecem bastante sólidos (estabeleci ISO 800 como sendo o limite superior, com qualidade assegurada).

A câmara fotográfica também vem com estabilização de imagem - construída na câmara fotográfica, que eu nunca imaginei que seria de muita ajuda. No entanto, depois de usar a câmara fotográfica por vários dias, eu passei a utilizar o estabilizador permanentemente.

Isso permitiu-me manter a ISO baixa à noite, reduzindo para ISO 400, e eu era capaz de conseguir fotos nítidas em 1/6 de segundo no escuro e à mão.


Nas ruas

Sinto que um dos melhores benefícios da utilização da Leica D- Lux 6 ao fotografar nas ruas é o facto de passar por turista.

É uma câmara fotográfica compacta preta e despretenciosa e eu tinha-a pendurada ao pescoço como um turista. 
A única coisa que chama a atenção é o ponto vermelho do símbolo da Leica.

Em termos de definições, eu passei para o modo "P" e ISO Auto e utilizei autofocagem e medição de exposição central. Surpreendentemente, a câmara fotográfica foi muito rápida ao fotografar na rua e eu nunca perdi nenhuma oportunidade de foto porque a câmara fotográfica fosse muito lenta em termos de focagem ou ligação de arranque.

Eu deparei-me com um flash pop-up pouco eficaz e experimentei as habilidades close-up/macro que tem.  Gosto de fotografar close-ups de coisas comuns e detalhes de pessoas.

Descobri que quando se fotografa com o flash pop-up no modo "P" até mesmo de assuntos sob luz solar intensa, eu poderia obter um grande equilíbrio de luz ambiente e luz de fundo .

Outra característica que eu encontrei na Leica D-Lux 6 é a função macro
Uma das coisas que eu não gosto nas outras máquinas é o facto de que eu só possa focar até 0,7 metros. Em muitas situações, eu não tive a capacidade de aproximar e enquadrar um pouco mais para fazer fotos criativas por causa do limite de distância de focagem .
No entanto, com a Leica D-Lux 6, isso nunca foi um problema. Uma das grandes vantagens sobre sensores compactos é que não existe distância mínima de focagem. Eu poderia ficar a minha câmara fotográfica tão perto de algo que eu queria e mantenho-a focada. Por isso, encontrei-me fotografar close-ups de rostos de pessoas, as suas mãos, anéis e outros acessórios, o que é uma grande satisfação.

Viajar com a D- Lux 6
Depois de usar e testar a D-Lux 6 e tentar incorporá-la no meu estilo de vida, achei que fosse ideal para uma viagem e como câmara fotográfica quotidiana. A câmara fotográfica certamente não irá substituir o minha APS- C ou full-frame, mas acho que é como um importante complemento.

Maiores vantagens da Leica D-Lux 6

  • tamanho
  • portabilidade
  • versatilidade

Por exemplo, quando eu fui caminhar usei a D-Lux 6 e achei incrível como era capaz de caminhar pelas serras do Gerês com ela durante quilómetros ao redor do meu pescoço, sem qualquer desconforto. Ter zoom (algo que eu não estou acostumado a ter) foi ideal para fotografar as montanhas ao longe.
Também foi ótimo para documentar os meus amigos e família. 
Mais uma vez, com o tamanho pequeno eu tive sempre a câmara comigo. Mesmo em situações de pouca luz nos restaurantes e outros locais, nunca tive um problema para fazer a focagem automática.

Mudanças para a próxima Leica D-Lux 7

1 . Uma cobertura retrátil para a lente
O maior incómodo da Leica D-Lux 6 é a tampa da lente que tem de ser colocada e retirada manualmente ao desligar e ligar câmara fotográfica.

2 . Maior tamanho do sensor
O sensor é sólido na Leica D- Lux 6 para um sensor compacto, mas agora a concorrência de outras marcas impõe o aumento do tamanho do sensor.
Por exemplo, a Ricoh conseguiu colocar um sensor do tamanho APS-C DSLR numa câmara fotográfica compacta (num corpo ligeiramente maior do que a D-Lux 6).

Ricoh GR V

Ricoh GR V

 


Eu acho que a próxima geração da D-Lux 7 deve ter um tamanho maior do sensor para se manter competitiva face à concorrência.

3 . "Modo Snap- foco"
Para fotografia de rua, acho que uma das melhores maneiras de filmar é pré-focar a lente para uma certa distância (eu geralmente faço pré focagem para 1,2 metros) e depois tirar fotos com uma grande abertura (em torno de f/8 e menores).
Enquanto não existe um modo de focagem manual para a D-Lux 6, eu acho que seria muito melhor para a fotografia de rua com um "modo snap-foco " (semelhante ao da Ricoh GRD V).
O modo snap-foco permite que rapidamente e eficientemente mudar a distância pré-focal (sem ter que passar para o modo manual, e , em seguida, muda a roda de focagem para obter sua distância pré focal desejada).


PRÓS
▪ Tamanho compacto
▪ Snappy autofocus e capacidade de resposta
▪ Grandes cores e qualidade de imagem ( em boa luz )
▪ ergonomia e botões sólidos e excelente qualidade de construção
▪ Grande capacidade de se concentrar em pouca luz
▪ Lente rápida ( f/1.4 )
▪ Estabilização de imagem incorporada

CONTRAS
▪ Preço
▪ Tampa da lente (colocar / retirar manualmente)
▪ sensor de imagem menor (quando comparado com Micro 4/3 ou sensores APS-C)

A câmara fotográfica é muito confortável para ter sempre ao meu lado pelo tamanho e pelo peso.
Eu não acho que para o preço seja a câmara fotográfica ideal para fotografia de rua. 
Eu acho que a melhor opção (se você quer uma câmara fotográfica compacta) é a Ricoh GRD V uma câmara fotográfica que é apenas um pouco maior (e tem um sensor tamanho APS-C).

No entanto a D- Lux 6 pode ser uma boa câmara fotográfica de viagem.

A D- Lux 6 tem um grande equilíbrio de peso, portabilidade, qualidade de imagem e com a versatilidade de zoom.